O treinador do Paços de Ferreira, Vítor Oliveira, assumiu esta segunda-feira a ambição de devolver o clube pacense à Liga NOS no final da época 2018/19, repetindo o feito alcançado há 28 anos.

“Esperamos corresponder, vamos para uma missão extremamente difícil, que é pegar numa equipa que desce de divisão e quer subir no ano seguinte. Não é uma situação que acontece com muita frequência, aconteceu cinco ou seis vezes durante a história da 2.ª Liga. Subir os dois clubes que desceram nunca aconteceu na 2.ª Liga, o que prova as dificuldades que vamos encontrar campeonato”, disse Vítor Oliveira, na cerimónia de apresentação do plantel.

O experiente técnico, com 10 subidas à Liga NOS no seu currículo, a primeira das quais precisamente no Paços de Ferreira, em 1990/91, aposta claramente na subida imediata, “no prazo de um ano”, da formação pacense.

“Temos de nos preparar para as dificuldades desde o primeiro minuto e precisamos do empenhamento de toda a gente. Sabemos que vamos ter momentos bons e menos bons, e precisamos da massa associativa nessas duas fases. E, fundamentalmente, podem contar com o nosso empenhamento, a nossa dedicação, entrega e vontade muito grande de repor o Paços de Ferreira o mais rapidamente possível na Liga NOS”, sublinhou.

O ex-técnico do Portimonense, de 64 anos, falou do seu regresso a Paços como resultado de “uma conjugação de vontades”, lembrando que “queria regressar ao Norte e o Paços de Ferreira precisava de um treinador”, sem esconder que “o convite extremamente interessante” tem associado o “objetivo muito grande de voltar a subir a equipa, passados 29 anos”, o que seria “uma coisa marcante” na sua carreira.

Manuel Sousa, seu antigo jogador e até agora responsável pelo scouting do Paços, passará a adjunto, numa equipa técnica que contará ainda com Tó Ferreira, responsável pelo treino dos guarda-redes, Mário Nunes, adjunto que também acompanha Vítor Oliveira, e Hugo Silva, que já estava no clube e continuará responsável pela videoanálise.