O P. Ferreira pretende contratar um ponta-de-lança experiente que possa garantir poder de finalização e com qualidade para assumir a titularidade, conforme Record já avançou. Isto porque o clube tem recebido várias propostas por Luiz Phellype, podendo o goleador brasileiro sair a qualquer momento, desde que surja uma proposta atrativa. O Sp. Braga chegou a sondar os castores, para conhecer as condições para o negócio, mas o interesse esfriou, surgindo novas investidas do Portimonense e do estrangeiro, inclusive do Japão. Apesar de ainda não terem recebido uma proposta tentadora, os responsáveis da SDUQ estão atentos ao mercado e devem apresentar em breve um reforço para a frente de ataque. Pires (Portimonense) e Sandro Lima (Ac. Viseu) estão referenciados.

Por outro lado, recorde-se o primeiro reforço para a próxima temporada: Paul Ayongo. O goleador ganês chegou do Amarante e foi contratado ainda no decorrer desta época depois de os castores se terem antecipado ao Aves para garantirem o concurso do melhor marcador da Série B do Campeonato de Portugal, com 20 golos. Aos 21 anos, chega com vários atributos no cartão de visitas e com vontade de ser sinónimo de golos decisivos na caminhada que o mestre das subidas quer trilhar rumo à sua 11ª promoção.

Para além da posição mais adiantada, Record sabe que o clube da capital do móvel pretende contratar igualmente mais dois laterais (um para cada lado) e ainda um extremo-esquerdo para dar mais soluções ofensivas ao treinador Vítor Oliveira, e aumentar o lote de caras novas para 2017/18, pois até agora só há uma posição garantida: a de guarda-redes, após as contratações de Ricardo Ribeiro (custo zero) e Carlos Henriques (empréstimo), eles que são dados adquiridos para fechar a baliza pacense. Estes reforços deverão chegar antes do início dos trabalhos, agendados para o próximo dia 28, com os habituais exames médicos. A bola rola dia 2 de julho.

Estágio sem direito a concentração

O estágio de pré-temporada vai realizar-se nos relvados secundários do complexo desportivo da Mata Real, mas os jogadores irão regressar a casa após os treinos vespertinos. A concentração do plantel será feita pela manhã nas instalações do estádio, para tomarem o pequeno-almoço. Este conceito altera o habitual figurino dos anteriores estágios, em que o plantel se isolava no interior e se mantinha junto durante dias sem qualquer contacto com o exterior.